Voos são cancelados e viagens são suspensas após 3 casos de Covid em Xangai

Quase 500 voos programados para esta sexta nos 2 grandes aeroportos de Xangai, que tem 25 milhões de habitantes e é a maior cidade da China, não vão ocorrer.

Centenas de voos foram cancelados, viagens foram suspensas e algumas escolas permanecem fechadas nesta sexta-feira (26) em Xangai, a maior cidade da China, após a detecção de três casos de Covid-19.

As medidas de restrição anunciadas são mais uma demonstração da estratégia do governo chinês de “tolerância zero” contra o novo coronavírus, com a imposição de pesados lockdowns e testagem em massa da população quando pouquíssimos casos são registrados.

As autoridades de Xangai, cidade de 25 milhões de habitantes na costa leste do país, informaram que os três casos positivos são de amigos que estiveram na cidade vizinha de Suzhou na semana passada e que os três estavam completamente vacinados.

Quase 500 voos programados para os dois grandes aeroportos de Xangai foram cancelados nesta sexta, e o governo municipal também suspendeu todos os pacotes de viagens organizadas entre províncias que passam pelos aeroportos da cidade.

 

No começo do mês, mais de 30 mil visitantes foram confinados na Disneylândia de Xangai após um caso de Covid-19 ser registrado no parque de diversões. A multidão só foi liberada após todas as pessoas serem testadas.

Seis hospitais da cidade suspenderam os serviços para pacientes de outras cidades, e todas as aulas foram suspensas em Suzhou porque houve contato de uma pessoa com um dos infectados.

Suzhou, que tem 13 milhões de habitantes e fica a quase 100 km de Xangai, também fechou atrações turísticas e passou a exigir que moradores apresentem um teste negativo de Covid-19 para sair da cidade.

‘Tolerância zero’

 

Desde a detecção do novo coronavírus em seu território, no fim de 2019, a China conseguiu conter a propagação do vírus com pesados confinamentos e restrições de viagens, em uma estratégia de “tolerância zero” que o governo mantém mesmo com o surgimento de variantes mais transmissíveis.

“A China acumulou muita experiência na dinâmica de ‘covid zero’, então nossa estratégia não vai mudar”, afirmou Zhang Wenhong, diretor da equipe de prevenção de Covid-19 de Xangai.

 

As autoridades chinesas estão em alerta máximo com qualquer foco da doença porque a capital Pequim vai receber Jogos Olímpicos de Inverno, em fevereiro 2022, e o país terá um grande fluxo de atletas estrangeiros, jornalistas e autoridades.

Deixe uma resposta