Brasileiros criam algoritmo capaz de detectar covid-19 pela tosse

Descoberta com aproximadamente 70% de eficácia levou prêmio no Interspeech 2021, principal evento de processamento de fala do mundo

Desde dezembro de 2019, cientistas pelo mundo inteiro tentam achar novas formas de identificar o coronavírus e proteger a população da pandemia. Desta vez, a conquista é brasileira: pesquisadores do Grupo CyberLabs desenvolveram um estudo para detectar a covid-19 por meio da tosse ou voz com aproximadamente 70% de eficácia.

A CyberLabs é empresa líder em Inteligência Artificial (I.A) na América Latina. Por conta do estudo, o grupo de pesquisa está entre os ganhadores da competição Interspeech 2021, principal evento de processamento de fala do mundo.

Como foi feito o estudo?

Com metodologia baseada em I.A, os pesquisadores utilizaram horas de amostras de fala e tosse tanto de pessoas saudáveis, quanto de infectadas pelo coronavírus.

“Exploramos várias técnicas de inteligência artificial para análise de áudios, que foram previamente expostas a mais de 2 milhões de áudios de 527 categorias diferentes”, conta Edresson Casanova, um dos responsáveis pela pesquisa.

Depois, os pesquisadores ajustaram a tecnologia para processar somente áudios de pessoas infectadas. Como resultado, conseguiram alcançar a marca de 75,9% de identificação por meio da tosse e 70,3% por meio da fala.

“Esse é mais um exemplo de como a I.A. pode revolucionar a vida da humanidade. O desenvolvimento da própria vacina contra a covid-19, que também aplicou I.A., demonstra o quanto o uso da tecnologia é transformador e precisa ser o quanto antes democratizado”, disse o presidente do Grupo CyberLabs, Marco DeMello.

Participaram do estudo os pesquisadores Edresson Casanova, Lucas Rafael Stefanel Gris, Arnaldo Candido Jr., Ricardo Corso Fernandes Jr., Marcelo Finger, Moacir A. Ponti e Daniel Peixoto Pinto da Silva.

No momento, a descoberta está em fase de validação de viabilidade. Segundo os pesquisadores, os próximos passos da descoberta serão avaliados com uma possível inclusão de parceiros estratégicos.

Deixe uma resposta